Centro de Oncologia

Agende sua
Consulta

×
  • >
  • BLOG


nosso blog

08/01/2021 11:01

Câncer de colo de útero: importância do conhecimento para a prevenção

O câncer de colo de útero é uma doença que pode ser prevenida, pois depende da infecção persistente do vírus HPV para ocorrer. Entretanto, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), esse é o quarto tipo de tumor maligno mais comum entre as mulheres, ocasionando cerca de 570 mil novos casos por ano no mundo. Nesse contexto, diferentes motivos levam a não redução desses números, o que poderia acontecer caso fossem minimizados.

 

Para começar, o câncer de colo de útero ainda é alvo de preconceito. Como o HPV é um vírus transmitido pelo contato sexual, muitas mulheres deixam de fazer os exames necessários por vergonha ou medo de sofrerem discriminação.

 

Além disso, há a baixa adesão à vacina contra o HPV em meninos e meninas. Segundo o Ministério da Saúde, entre 2014 e 2017, apenas 4,9 milhões de meninas, o que equivale a 48,7% do total delas na faixa etária entre 9 e 14 anos, tomaram a primeira e segunda dose da vacina.

 

Quando se trata dos meninos, o número é ainda menor. Somente 1,6 milhões deles, ou 43,8% desse público, tomaram a primeira dose. Todavia, a vacinação só garante a proteção se for feita em duas doses.

 

Infelizmente, mitos como o estímulo à iniciação da vida sexual precoce ou efeitos colaterais graves causados pela vacina, contribuem para a baixa taxa de vacinação de crianças e adolescentes no Brasil.  

 

Sabendo dessa realidade e tendo a consciência de que é necessário mobilizar a população sobre o câncer de colo do útero, conversamos com a ginecologista e obstetra do Centro de Oncologia do Paraná, Dra Daiene Carvalho Casagrande, que esclareceu diversos aspectos sobre a doença. Confira!

 

O que é o HPV?

 

O HPV (vírus papilomavirus humano) é um vírus que causa lesões em diferentes partes do corpo, tendo predileção pela pele e mucosas. Pode causar verrugas ou lesões percursoras como o câncer de colo de útero, vagina, vulva, garganta, pênis e ânus. 

 

É um vírus contagioso e transmitido, em geral, pelo contato de pele a pele. O modo mais comum de transmissão é por meio do ato sexual. Por isso é considerado uma infecção sexualmente transmissível.

 

Que tipos de HPV causam câncer?

 

Existem mais de 200 tipos de HPV, mas até hoje, cerca de 150 foram identificados e sequenciados geneticamente, sendo que cerca de 40 tipos podem infectar o trato ano-genital. Dentre eles, 13 podem causar lesões precursoras de câncer, como o câncer do colo do útero, garganta ou ânus e são mais preocupantes, considerados de alto risco oncogênico.

 

Cerca de 70% desses cânceres são causados pelos HPV tipo 16 e 18, enquanto os HPV 31, 33, 45 e outros tipos menos comuns são encontrados nos casos restantes. Os HPV tipo 6 e 11 e outros de baixo risco são bastante comuns em mulheres, mas causam apenas verrugas genitais, ou papilomas laríngeos.

 

Uma pessoa infectada por HPV apresenta sintomas?

 

Em geral, cerca de 80 a 90% da população vai entrar em contato com o vírus em algum momento da vida, mas mais de 90% das pessoas conseguem eliminar o vírus do organismo naturalmente, sem ter manifestações clínicas.

 

Ou seja, a maioria das infecções por HPV é assintomática, ou inaparente, e de caráter transitório, regredindo espontaneamente. Já as infecções latentes são detectadas por exames preventivos do câncer do colo do útero.

 

As lesões clínicas se apresentam como verrugas, os chamados condilomas acuminados, e aparecem com maior ocorrência na região ano-genital, tanto de homens, quanto de mulheres.

 

As lesões subclínicas (não visíveis a olho nu) são detectadas por exames de rastreamento e são chamadas de lesões intra-epiteliais. Podem ser de baixo grau, que refletem a presença do vírus e de alto grau, as verdadeiras lesões precursoras do câncer.

 

Qual é a melhor forma de prevenção ao HPV?

 

A melhor forma de prevenção é através da vacina contra o HPV, a prevenção primária da doença.Atualmente existem duas vacinas profiláticas contra o HPV aprovadas: a vacina quadrivalente, que confere proteção contra os HPV 6, 11, 16 e 18; e a bivalente, contra os HPV 16 e 18.

 

Educação sexual, reforçando a importância do sexo seguro e comportamentos sexuais, além do rastreamento por meio do exame preventivo, de Papanicolau ou citopatológico, para detecção de lesões precursoras e tratamento adequado, também são medidas importantes de prevenção do câncer do colo do útero.

 

Para quem se recomenda a vacina contra HPV?

 

Como citado, as vacinas são preventivas, por isso o maior benefício, com maior produção de anticorpos, acontece quando aplicadas em pessoas que não iniciaram sua vida sexual.

 

O Ministério da Saúde, em 2014, aprovou a implementação no SUS da vacinação gratuita contra o HPV em meninas de 9 a 13 anos, com a vacina quadrivalente. Em 2017, as meninas de 14 anos e meninos de 11 a 14 anos também foram incluídos no esquema vacinal. O esquema inclui 2 doses, sendo a segunda dose aplicada 6 meses após a primeira.

 

Para pessoas com HIV o esquema vacinal inclui 3 doses e a faixa etária é mais ampla, de 9 a 26 anos. Outros grupos etários podem dispor das vacinas em serviços privados.

A vacina quadrivalente está aprovada para prevenção de lesões genitais pré-cancerosas do colo do útero, vulva e vagina e verrugas genitais relacionadas aos HPV 6, 11, 16 e 18. Já a vacina bivalente está aprovada para prevenção de lesões genitais pré-cancerosas do colo do útero, vulva e vagina relacionadas aos HPV 16 e 18.

 

Porém, deve-se lembrar, que nenhuma vacina é terapêutica, ou seja, não tem eficácia contra infecções ou lesões já existentes.

 

Como você pôde comprovar, é fundamental desmistificar o câncer de colo do útero e incentivar cada vez mais mulheres a realizarem seus exames ginecológicos, assim como os pais e responsáveis a fazerem o esquema de vacinação contra o vírus de forma adequada, para que, dessa forma, possamos diminuir o número, ainda alarmante, de mulheres com câncer do colo do útero e outros tipos de tumores relacionados ao HPV evitarem doenças futuras em seus filhos e também em terceiros.

 

Gostou do nosso conteúdo? Que tal informar quem você gosta sobre esse assunto tão relevante? Compartilhe em suas redes sociais!

Comentários
Comentar


Outras notícias
Titulo do blog Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit. Quidem vero exercitationem unde veniam reiciendis debitis, quaerat, molestiae culpa, autem provident facere at ipsa facilis animi sit vitae quam tempore aspernatur.
Leia +
Titulo do blog Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit. Quidem vero exercitationem unde veniam reiciendis debitis, quaerat, molestiae culpa, autem provident facere at ipsa facilis animi sit vitae quam tempore aspernatur.
Leia +
Titulo do blog Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit. Quidem vero exercitationem unde veniam reiciendis debitis, quaerat, molestiae culpa, autem provident facere at ipsa facilis animi sit vitae quam tempore aspernatur.
Leia +