Centro de Oncologia

Agende sua
Consulta

×
  • BLOG


nosso blog

17/02/2020

Fevereiro Laranja: tudo o que você precisa saber sobre a leucemia

Fevereiro é o mês de alerta sobre a leucemia, doença maligna que atinge os glóbulos brancos do sangue. O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que, para cada ano do biênio 2018/2019, sejam diagnosticados no Brasil 5.940 casos novos da doença em homens e 4.860 em mulheres, o que equivale a mais de 10 mil casos entre ambos os sexos. É importante frisar que as maiores taxas da doença se concentram no Sul, Sudeste e no estado do Tocantins.

 

 

15/01/2020

Câncer de colo de útero: diagnóstico precoce é fundamental no combate à doença

O mês de Janeiro é mundialmente dedicado à conscientização sobre o câncer de colo de útero, doença que mata mais de 300 mil mulheres por ano. Porém, muitos casos poderiam ser evitados por meio da detecção precoce de lesões pré-malignas ou malignas, mas que se encontram em estágio inicial.

 

"Esse tipo de câncer possui desenvolvimento lento e assintomático. Quando apresenta sintomas geralmente se encontra mais avançado, com quadros de sangramento vaginal intermitente ou após relação sexual, secreção vaginal anormal e dor abdominal associada a queixas urinárias ou intestinais", explica o cirurgião oncológico do Centro de Oncologia do Paraná, Dr. Fabio Roberto Fin.

 

Quando se identifica o câncer de colo de útero no início as chances de cura são altíssimas e uma pequena cirurgia pode ser suficiente para o tratamento, mas o ideal mesmo é se prevenir. O melhor exame tanto para a prevenção quanto para o diagnóstico precoce é o papanicolau, que é a coleta de células do colo do útero. Esse deve ser oferecido a mulheres na faixa etária entre 24 e 69 anos ou que já tiveram atividade sexual.

 

"Quando houver a necessidade de um exame mais preciso o médico poderá solicitar a colposcopia, que é muito similar ao papanicolau, mas utiliza uma lente de aumento. Nesse aspecto, tão importante quanto realizar o exame, é buscar o resultado e apresentá-lo ao especialista, ação que muitas mulheres deixam de fazer e, com isso, não obtêm os resultados que poderiam abrandar o tratamento ou salvar vidas", aconselha o Dr. Fabio.

 

Fatores de risco e outras formas de prevenção para o câncer de colo de útero

 

O principal fator de risco para o desenvolvimento deste tipo de câncer é a infecção pelo Papilomavírus Humano, o HPV. Por isso, é de grande importância a vacinação de meninas e meninos com idades entre 9 e 14 anos. Fornecidas gratuitamente pelo Ministério da Saúde, as vacinas são preventivas, tendo como objetivo evitar a infecção pelos tipos de HPV 16 e 18, altamente cancerígenos.

 

"A vacinação é uma forma de prevenção a essas doenças que matam ou trazem sequelas irreversíveis para toda a vida. Se conseguirmos vacinar todas as crianças, meninos e meninas no mundo inteiro, talvez o câncer de colo de útero seja algo que não exista mais ou raramente aconteça. É algo que parecia irreal, mas pode se tornar possível. Por isso é fundamental que a população se conscientize da importância da vacinação", ressalta o cirurgião oncológico.

 

Além da vacinação, a prevenção pode ser feita usando-se preservativos (camisinha) durante a relação sexual, para evitar o contágio pelo HPV. Outros fatores de risco para a doença são o tabagismo, a iniciação sexual precoce, a multiplicidade de parceiros sexuais, a multiparidade e o uso de contraceptivos orais.

 

Principais formas de tratamento

 

Quando o câncer de colo de útero é diagnosticado, a decisão sobre o melhor tratamento deve ocorrer conforme a avaliação do médico junto à paciente. A decisão passa por inúmeros fatores, sendo os principais o tamanho do tumor, a localização exata e o desejo de ter filhos. Quando indicada cirurgia, pode ser realizado um destes métodos:

 

  • Conização: retirada parcial do colo útero (cirurgia via vaginal);
  • Traquelectomia: retirada de todo o colo do útero com os paramétrios e linfonodos;
  • Histerectomia: retirada do útero com os paramétrios e linfonodos;
  • Radioterapia e Quimioterapia.

 

Uma boa notícia é que, ao contrário do que ocorria no passado, hoje nem sempre a fertilidade da mulher é comprometida. "Atualmente com o aperfeiçoamento da técnica, há uma cirurgia do câncer de colo de útero que permite à paciente engravidar, o que inclusive já beneficiou muitas mulheres", ressalta o Dr. Fabio Fin.

 

10/12/2019

Câncer de pele é o tumor que mais acomete os brasileiros apesar das medidas simples de prevenção

Você provavelmente conhece ou conhecerá alguém que tem câncer de pele. O motivo para essa afirmação é que, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), 30% de todos os tumores malignos registrados no Brasil são desse tipo, o que equivale a cerca de 180 mil novos casos por ano. Apesar dos altos índices de cura, quase 1800 pessoas morrem todos os anos em decorrência da doença.

 

“Os percentuais de cura do câncer de pele são altos, desde que seja detectado precocemente. No entanto, o mais importante de antemão é saber se trata-se de um tipo melanoma ou não-melanoma”, alerta a Dra. Raquel Cristina Dalagnol, oncologista  do Centro de Oncologia do Paraná. "Enquanto o de não-melanoma, que pode ser dividido carcinoma basocelular e epidermoide é menos agressivo, o melanoma é mais perigoso e exige comumente radioterapia e imunoterapia", explica.

 

Por que o diagnóstico precoce é fundamental

 

A especialista afirma que quando o melanoma já se espalhou para outros órgãos, gerando metástases, é praticamente incurável na maioria dos casos. “Desse modo, o tratamento passa a ser apenas para diminuir sintomas e melhorar a qualidade de vida. Portanto, o diagnóstico precoce é essencial", afirma.

 

Pessoas de pele clara, com pintas e mais sensíveis a raios solares são as vítimas mais comuns do câncer de pele. Nesse sentido, estações mais ensolaradas como a Primavera e o Verão tendem a ser as mais perigosas para adquirir a doença. “A exposição excessiva é a principal causa”, diz Raquel. “A radiação ultravioleta é a maior responsável pelos tumores. No caso dos carcinomas, os sintomas são equivalentes a sinais de dano solar, como enrugamento, mudanças na pigmentação e perda da elasticidade", comenta.

 

Já o melanoma, mais grave, tem a aparência de uma ou mais pintas, quase um “sinal” na pele, em tons de castanho ou preto. Como se desenvolve nas camadas mais superficiais da pele, se detectado precocemente tem até 90% de chances de cura. Ao contrário, quando atinge estágios mais avançados, torna-se mais profundo a aumenta as chances de metástase. "É importante frisar que esse tipo de tumor pode aparecer em qualquer idade. Portanto, é importantíssimo manter uma rotina de consultas com dermatologistas e a qualquer sintoma buscar auxílio médico o quanto antes", aconselha.

 

Prevenção do câncer de pele

Prevenir-se do câncer de pele é simples. “Evitar o sol no período entre 10h e 16h é o crucial”, comenta Raquel. “Fora desses horários, o sol em excesso também pode ser perigoso. Isso vale também para ambientes internos, como o trabalho, onde há predominância de lâmpadas fluorescentes”, alerta.

 

Usar sempre protetor solar com Fator de Proteção Solar (FPS) no mínimo 30 é recomendado, assim como reaplicar a cada 2h, se exposição solar intensa, se não, reaplicar duas vezes ao dia. Em locais muito ensolarados, a dica é cobrir com roupas leves as partes do corpo mais atingidas pelos raios UV, como as costas, nuca, pernas e braços.

 

Nosso artigo sobre câncer de pele, tipos e prevenção foi útil para você? Que tal conscientizar também os seus familiares e amigos? Então compartilhe agora mesmo em suas redes sociais!

 

 

 

25/11/2019

O câncer de próstata se manifesta de diferentes maneiras: entenda

Assim como outros tipos de câncer, o câncer de próstata é uma doença que se manifesta de diferentes maneiras. Enquanto alguns tumores são agressivos, de crescimento acelerado e com potencial de gerar metástases, outros apresentam doenças indolentes, que nunca desenvolverão sintomas ou trarão riscos ao paciente.

 

Após o diagnóstico, algumas características do tumor são analisadas, com o objetivo de identificar o grau de agressividade e a conduta médica mais adequada. Em geral também são levados em conta a idade do paciente, características do tumor e os valores indicados no exame de PSA no sangue. Nos casos em que a doença apresenta pouca agressividade, é possível optar por uma estratégia de vigilância.

 

Isso quer dizer monitorar o paciente constantemente por meio de exames de PSA e, caso apresentem alterações significativas, discute-se novas abordagens. Já nos casos de maior agressividade, as opções de tratamento mais comuns são cirurgia com retirada da próstata e/ou radioterapia da pelve, além de alternativas utilizando-se ondas de ultrassom e outras técnicas ablativas.

 

Evolução do tratamento do câncer de próstata

 

"O tratamento do câncer de próstata evoluiu muito nos últimos anos. Pesquisadores publicam novos estudos em velocidade admirável, enriquecendo o armamentário das drogas utilizadas no combate da doença. A hormonioterapia, quimioterapia, além de drogas de nova geração, possibilitam o tratamento mesmo em fases avançadas da doença. Além disso, a avaliação genética encontra-se em expansão, buscando individualizar o tratamento, algo como escolher qual droga responde melhor em cada organismo", comenta o uro-oncologista do Centro de Oncologia do Paraná, Dr. Antônio Brunetto Neto.

 

Quando diagnosticado precocemente, o câncer de próstata tem grandes chances de cura. Previna-se ou conscientize quem você ama! Para auxiliar no esclarecimentos de dúvidas, prevenção e diagnóstico da doença, o Centro de Oncologia do Paraná conta com um corpo clínico altamente qualificado.

 

Gostou do nosso artigo sobre o câncer de próstata? Quer saber mais sobre outros assuntos relacionados? Então curta o nosso Facebook e acompanhe as notícias!