Centro de Oncologia

Agende sua
Consulta

×
  • >
  • BLOG


nosso blog

30/04/2021 14:04

Abril Lilás: mês de combate ao câncer de testículo

O mês de abril também é lilás para conscientizar sobre o câncer de testículo. Apesar das taxas da doença serem relativamente baixas, trata-se de um tumor que acomete homens em todas as faixas etárias, sendo mais comum em jovens com idade entre 15 e 35 anos e raro em crianças.

 

Para esclarecer alguns tópicos importantes sobre o assunto, conversamos com o urologista Dr. Antonio Brunetto Neto. Acompanhe e saiba mais sobre a doença.

 

Quais os fatores de risco para câncer de testículo?

 

Entre os fatores de risco, podemos citar criptorquidia (testículo retido na infância), história de tumor no testículo contra-lateral, história familiar e infertilidade.

 

Como diagnosticar o câncer de testículo?

 

O diagnóstico é realizado através do exame físico, no qual percebe-se crescimento, nódulos ou alteração de consistência do órgão. Como ferramentas auxiliares, é possível utilizar exames de sangue (marcadores tumorais), ultrassonografia e, em casos de dúvida, ressonância magnética.

 

Além disso, é preciso acrescentar ao diagnóstico inicial exames de estadiamento, ou seja, destinados a buscar casos em que a doença possa ter disseminado metástases para outros órgãos, como o pulmão e o cérebro.

 

Todo aumento no testículo significa câncer?

 

Nem todo aumento de volume testicular é indicativo de câncer. Outras afecções, como acúmulo de líquidos em bolsa escrotal (hidrocele), hérnias e infecções podem ser um diagnóstico diferencial. Devemos estar alertas principalmente ao crescimento testicular endurecido e indolor. Na dúvida é importante buscar atendimento especializado para descartar a hipótese de tumor.

 

Como tratar o câncer de testículo?         

 

Os tumores de células germinativas correspondem a 95% dos casos, sendo que dividem-se em dois grupos: seminomatosos e não seminomatosos, cada um com suas particularidades. O tratamento é definido com base em critérios como tamanho tumoral, invasão de estruturas adjacentes, agressividade da doença e subtipo do tumor. 

 

O tratamento inicial consiste em remover o testículo acometido, cirurgia chamada de orquiectomia radical. Em caso de testículo contra-lateral normal, esse suprirá as funções masculinas adequadamente, incluindo produção hormonal e fertilidade. Em casos de tumores de pequeno volume (até 30% do volume total do testículo), especialmente em pacientes com testículo único, é possível a remoção parcial do mesmo.

 

Dependendo do subtipo do tumor identificado na cirurgia e sua agressividade, caberá ao urologista, juntamente com o oncologista, determinar a complementação do tratamento na forma de quimioterapia, radioterapia ou cirurgia abdominal para remoção de possíveis massas residuais em tecido linfático (retroperitônio).

 

O tumor de testículo consiste em doença com potencial de cura efetivo, inclusive em pacientes com doenças avançadas e metastáticas. Quanto mais precocemente for feito o diagnóstico, menos invasivo é o tratamento e maiores são as taxas de cura.

 

Gostou do conteúdo? Acha que pode ser interessante para alguém que você conhece? Compartilhe em suas redes sociais!

 

 

 

 

 

 

 

Comentários
Comentar


Outras notícias
Titulo do blog Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit. Quidem vero exercitationem unde veniam reiciendis debitis, quaerat, molestiae culpa, autem provident facere at ipsa facilis animi sit vitae quam tempore aspernatur.
Leia +
Titulo do blog Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit. Quidem vero exercitationem unde veniam reiciendis debitis, quaerat, molestiae culpa, autem provident facere at ipsa facilis animi sit vitae quam tempore aspernatur.
Leia +
Titulo do blog Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit. Quidem vero exercitationem unde veniam reiciendis debitis, quaerat, molestiae culpa, autem provident facere at ipsa facilis animi sit vitae quam tempore aspernatur.
Leia +