Centro de Oncologia

Agende sua
Consulta

×
  • >
  • BLOG


nosso blog

06/08/2021 14:08

Hormonioterapia para o câncer de mama: entenda como funciona este tratamento

O câncer de mama é o tipo mais prevalente entre as mulheres de todo o mundo. No entanto, ele não se trata de uma única doença, mas é composto por diversos subtipos celulares e histológicos, para os quais são empregados diferentes tipos de tratamento. Alguns tumores mamários dependem dos hormônios femininos produzidos pelo organismo, o estrogênio e a progesterona, para crescerem e se disseminarem. Para estes casos, é indicada a hormonioterapia.

 

Trata-se de um tratamento sistêmico, ou seja, que atinge células cancerígenas em qualquer parte do corpo e não apenas na mama.

 

Para falar sobre esse importante assunto, que envolve um protocolo voltado para a maioria das neoplasias da mama diagnosticados, conversamos com a oncologista clínica, Dra. Emanuella Poyer. Confira!

 

No que consiste a hormonioterapia para o câncer de mama?

 

O mecanismo da terapia hormonal pode ocorrer por meio da supressão da produção de hormônios, com a finalidade de privar as células malignas dos estímulos necessários para entrarem em divisão. Além disso, pode ocorrer o bloqueio da ligação dos hormônios com seus receptores, denominado bloqueio periférico. Em ambos os casos, ocorrem diminuição da velocidade de multiplicação e indução de morte celular.

 

Para quais tumores de mama ela é voltada?

 

Cerca de 65% dos cânceres de mama são do subtipo com receptores hormonais positivos. Suas células têm receptores que se ligam aos hormônios estrogênio (RE+) e/ou progesterona (RP+), os quais auxiliam as células cancerígenas a crescerem e se disseminarem. São os chamados subtipos Luminais, para os quais a hormonioterapia é indicada.

 

Quais são os tipos de terapia hormonal?

 

Existem alguns tipos de hormonioterapia para o câncer de mama. A maioria deles diminui os níveis de estrogênio ou impede o estrogênio de atuar sobre as células cancerígenas da mama. Veja alguns deles:

 

Inibidores de enzimas necessários para a produção de hormônios

 

Por meio da inibição de algumas enzimas, é possível privar a síntese de hormônios e assim bloquear as células malignas desses fatores de crescimento. Podemos citar, por exemplo, os inibidores da aromatase, drogas empregadas no tratamento do câncer de mama que inativam a aromatase, enzima fundamental para a formação de estrógenos na menopausa. São eles: anastrozol, letrozol e exemestano.

 

Antagonistas dos hormônios

 

Geralmente, são drogas que se ligam aos receptores existentes nas células malignas, impedindo o hormônio de se aproximar deles. O exemplo clássico é o tamoxifeno, droga que bloqueia os receptores de estrógeno existentes nas células do câncer. Além disso, temos ainda o fulvestranto.

 

Ablação ovariana

 

Para mulheres na pré-menopausa. A ablação ovariana remove ou desativa os ovários, a principal fonte de estrogênio. Neste caso, efetivamente a mulher entra na pós-menopausa. Há algumas maneiras de remover ou desativar a função dos ovários:

 

- Ooforectomia: cirurgia para remover os ovários que é uma forma de ablação ovariana permanente;

 

- Análogos de LHRH (Receptor do hormônio liberador do hormônio luteinizante): esses medicamentos são usados com mais frequência do que a ooforectomia. Eles bloqueiam o sinal enviado pelo corpo aos ovários para produzir estrogênio, provocando menopausa temporária. Os medicamentos análogos de LHRH incluem a goserelina e o leuprolide, os quais podem ser usados isoladamente ou com outros medicamentos hormonais (tamoxifeno, inibidores de aromatase, fulvestranto), como terapia hormonal em mulheres na pré-menopausa.

 

Existem efeitos colaterais neste tratamento?

 

A hormonioterapia não é isenta de efeitos colaterais, sendo que os principais são:

 

- Fadiga;

- Mialgia;

- Dores nas juntas (artralgias);

- Ondas de calor;

- Diminuição da libido;

- Dor de cabeça;

- Secura vaginal;

- Aumento da queda de cabelo;

- Tonturas.

 

Entre as principais formas de minimizar e evitar tais efeitos estão a realização de atividades físicas regulares e a manutenção de outros hábitos de vida saudável, como uma dieta adequada e um sono regular.

 

Como você viu, a hormonioterapia é voltada a um tipo específico de câncer de mama, consistindo em diferentes tratamentos, os quais, apesar dos possíveis efeitos colaterais, trazem bons resultados na cura e controle destes tumores.

 

Gostou do conteúdo? Então compartilhe em suas redes sociais para informar outras mulheres!

 

 

Comentários
Comentar


Outras notícias
Titulo do blog Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit. Quidem vero exercitationem unde veniam reiciendis debitis, quaerat, molestiae culpa, autem provident facere at ipsa facilis animi sit vitae quam tempore aspernatur.
Leia +
Titulo do blog Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit. Quidem vero exercitationem unde veniam reiciendis debitis, quaerat, molestiae culpa, autem provident facere at ipsa facilis animi sit vitae quam tempore aspernatur.
Leia +
Titulo do blog Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit. Quidem vero exercitationem unde veniam reiciendis debitis, quaerat, molestiae culpa, autem provident facere at ipsa facilis animi sit vitae quam tempore aspernatur.
Leia +